segunda-feira, agosto 15, 2022
InícioDicas de saúdeHábitos Saudáveis e Vícios - Mais fácil falar que fazer

Hábitos Saudáveis e Vícios – Mais fácil falar que fazer

Faz parte da rotina dos profissionais de saúde orientar os pacientes a mudarem os seus hábitos de vida em busca de uma vida mais saudável. Afinal, sabemos que os hábitos de cada pessoa podem impactar no desenvolvimento de múltiplas doenças. Diante disso, o leigo pode pensar que o profissional de saúde possui hábitos de vida mais saudáveis, certo? Seria essa uma verdade?

habito saudavel vicio saude

A verdade é que não basta conhecer e estudar o assunto – colocar em prática os hábitos saudáveis é algo que pode ser muito desafiador. Muitas vezes, os próprios profissionais possuem vícios e hábitos prejudiciais à saúde e é preciso ser compreensivo quanto à realidade de cada um. É importante ter ciência da complexidade do assunto para evitar simplificar a questão com frases como “é só querer” ou “precisa ter força de vontade”, o que pode afastar o paciente do resultado esperado do aconselhamento profissional.

O paciente que possui um vício, em muitos dos casos, sabe que aquele comportamento é prejudicial e pode não estar interessado em mudar – estágio motivacional conhecido como “fase pré-contemplativa” – e não deve ser julgado por isso. O profissional de saúde então deve desenvolver estratégias para abordar o vício de forma compreensiva e efetiva. Uma técnica já consolidada na abordagem de usuários de álcool e outras drogas é a “Intervenção Breve”, que é uma forma rápida e eficaz de abordar o assunto com o paciente.

Uma vez identificado que o paciente faz uso abusivo ou de risco de álcool ou outras drogas, a técnica da Intervenção Breve se propõe a alertar ao paciente de que caso ele perceba que o uso da substância está prejudicando sua vida e sua saúde e quiser mudar de comportamento, a equipe de saúde oferecerá o suporte necessário. É uma abordagem que pode ser feita de 5 a 15 minutos durante os atendimentos dos profissionais e que oferece aconselhamento, decisão compartilhada, empatia e autoeficácia no processo de mudança.

Gostou? Fica o convite para ler mais sobre a Intervenção Breve…

FELIPE MOTA REZENDE – Médico – CRM: 21566

REFERÊNCIA:  Intervenção Breve: módulo 4. – 9. ed. –Brasília : Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2016. 118 p. – (SUPERA: Sistema para detecção do Uso abusivo e dependência de substâncias Psicoativas: Encaminhamento, intervenção breve, Reinserção social e Acompanhamento.

ASSUNTOS RELACIONADOS